quarta-feira, 3 de junho de 2009

Passo a explicar...

A "Decisão" prende-se tão só com....Virar a vida de pernas pró ar!

Deixar tudo e ir viver outra vida para muitos kilómetros daqui (8.000)...

Será que o factor económico justifica tal mudança???

8 comentários:

  1. "Há mais vida para além do défice" : -julgo ser esta a citação que me ocorre e que faço de memória por me parecer adequada. Penso que muito mais existe, para além do mero interesse do económico;
    -tudo visto e ponderado, como soi dizer-se,vale bem a pena ter um tempo, dando tempo ao tempo para então se tomar a decisão e que não é nada fácil.
    Mas a vida é mesmo assim...
    Estas são as decisões solitárias e de responsabilidade pessoal.

    ResponderEliminar
  2. A vida é feita de opções, nunca vamos saber no momento se é a certa ou a errada, mas temos de as tomar.
    Mesmo nas coisas simples, muitas vezes as tonarmos complicadas.

    Tenho muita gente amiga que diz que o dinheiro , a parte monetária não é tudo, concordo, mas porque tenho ou têm uma qualidade de vida média, onde conseguimos que nada nos falte e principalmente aos nossos filhos, porque quando não se tem, as pessoas mudam de opiniões rapidamente sobre a parte monetária não ser tudo.

    Uma coisa eu concordo, e como diz uma grande amiga minha, só vivemos uma vez e é para sermos felizes. É isso que eu procuro todos os dias, mas sem o meu marido junto de mim e da nossa filha tem sido impossível sentir tal felicidade, e por isso mulheres como eu e a Carla temos estas complicadas decisões a tomar.

    Olha Carla adorei conhecer o teu Blog, estou eu também a pensar criar um, mas saber que não estou sozinha nestes momentos de decisões difíceis, deixou-me respirar melhor.

    Obrigado mais uma vez, e como diz o meu marido tudo cai no seu sitio
    Beijos
    Isabel

    ResponderEliminar
  3. Que bom Isabel,também acho reconfortante sabermos que não estamos sózinhos...
    Beijinho grande!

    ResponderEliminar
  4. Qualquer que seja a vossa decisão, tenho a certeza que a vão tomar de consciência limpa e será a melhor decisão!
    Bjins e boas decisões!

    ResponderEliminar
  5. Que muda Deus ajuda! è o que diz o ditado!

    Avança!

    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Tudo tem uma forma de se equilibrar, as coisas acabam sempre por encaixar, por vezes da forma menos esperada, há 2 anos atrás ninguem me diria que eu iria ter esta enorme escolha, e hoje cá estou a tentar fazer o melhor para mim e para a minha familia, e só sei que se estiver errado nas minhas decisões, não será hoje que vou saber.
    De qualquer das formas, bom Blog, e espero que o teu marido goste tanto disto como eu, há dias que não sabemos se choramos ou nos rimos com aquilo que se vê.

    ResponderEliminar
  7. "Atão", mas agora "caíu" aqui toda a familia??? LOL
    Não é uma decisão fácil, Carla e Isabel. E não é sem esforço que digo que vivemos no México. É um grande sacrifício morar longe da família e obrigar a minha filha a viver sem avós, primos ou tios! Quando é que custa mais? Aniversários nossos e dos que estão em PT, quando bate muitas saudades da comida, dos lugares, da nossa independência, enfim, é deixar para trás tudo o que conhecemos, olhar para a frente e viver a nova vida de preferência sem olhar muito para trás e pensar e se eu tivesse feito diferente?
    Boas escolhas para as duas!
    Beijinhos
    ps- se algum dia a escolha passar por vir para o México, eu posso ajudar!

    ResponderEliminar
  8. Carla, desculpa acabei por não responder completamente à tua questão.
    Para mim, o factor económico compensa se:
    a) não vier daí nenhum mal ao triângulo Marido-Mulher-Filhos;
    b) se não se prejudicar a escolaridade dos filhos (o teu mais velho já anda na primária, né?)
    c) se der para pelo menos, pagar 70 a 80% da dívida de uma casa;
    Se der para a c) e te parecer que não irás prejudicar as premissas a) e a b), o meu conselho é avança!
    Se não der para a c), mas não prejudica a) nem b): o teu marido vai e tu ficas (se vocês aguentarem a distância e o sofrimento que isso implica)
    Se não der para c) e prejudicar, principalmente a c): esquece angola e procura uma outra solução, quer noutro país, quer em PT!
    Preto no Branco, foi mais ou menos isto que fizemos, mas obviamente que estamos numa situação diferente da tua, pois só temos uma filha e ela quando veio para cá tinha 1 ano e meio, ou seja ainda saímos daqui antes da primária.
    Por outro lado e (talvez) para te baralhar, Angola terá sempre escolas portuguesas, onde os teus filhos vão aprender a nossa língua, educação e a nossa história! Já eu, aqui no México, não posso dizer o mesmo...
    Boa sorte na decisão!
    Não é uma decisão fácil e no que eu puder ajudar (como emigrante embora num País diferente), avisa!

    ResponderEliminar

poderá gostar ainda de lêr...